Home / Eventos / Congresso Movergs: adrenalina vai pautar o pós-crise do setor moveleiro

Congresso Movergs: adrenalina vai pautar o pós-crise do setor moveleiro

Com moderado otimismo para o período pós-crise, o 28º Congresso Movergs, realizado em Bento Gonçalves nessa quinta, dia 05 de julho, começa com a tradicional análise do setor feita pelo economista e sócio-diretor do IEMI – Inteligência de Mercado, Marcelo Prado. Em primeiro lugar, ele garante ao setor moveleiro gaúcho que ninguém saiu ileso à crise. A indústria moveleira e o varejo ainda terão um longo período para curar as cicatrizes, talvez jamais alcançando novamente os números obtidos durante o boom imobiliário.

Aliado à crise econômica, o fim do boom imobiliário causou perdas de 16% na produção nacional de móveis. Nos próximos cinco anos, o IEMI estima uma expansão de 15,4% na produção de móveis e colchões. Entretanto, nem em 2022 serão alcançados os picos de produção e vendas de 2013. Haverá crescimento, mas com concorrência muito acirrada. Segundo Prado, só vai acompanhar essa curva de crescimento – ou ultrapassá-la – a indústria que puder verdadeiramente agregar diferencial ao produto, destacando-se de seus concorrentes para convencer um consumidor com multiplicidade de oferta. “A única coisa que o Brasil pode garantir aos empresários nesse pós-crise é bastante adrenalina”, indica.

 

Cenário

Mesmo com a crise, em 2017, o Brasil consumiu R$ 83 bilhões de reais em móveis no ano passado. É o 5º maior mercado de móveis do mundo, com 376 milhões de peças consumidas. O varejo nacional de móveis é formado por 53 mil pontos de venda e todos os canais tiveram queda de desempenho entre 2013 e 2017, com recuo de 16,3% em peças vendidas no varejo (móveis e colchões). As lojas de departamento, por sua vez, tiveram perdas ainda piores: queda de 24,3%.

Segundo Marcelo Prado, foram duas mil lojas fecharam com a crise econômica. Entretanto, lojas especializadas ganharam em volume e receita nesse período. Elas representam, hoje, 79% dos PDVs, com 71% do volume de vendas e 81% das receitas geradas por esses produtos no varejo nacional. Na outra ponta, a indústria produziu 432 milhões de peças no último ano, sendo 14 milhões delas destinadas às exportações. Dormitórios são a principal linha da indústria brasileira de móveis, tanto em volume quanto valores. Depois, destaca-se a linha de escritórios. Cozinha é o terceiro segmento em volume de vendas, mas os colchões tem maior representatividade em faturamento.

 

Mercado imobiliário

 

Marcelo Prado pontua que, atualmente, 25% das compras de móveis no Brasil estão ligadas à adição de um novo domicílio. Por isso, a queda em novas residências constatada pelo IBGE impactou sobremaneira a indústria moveleira. Entre 2009 e 2017, o número de lançamentos imobiliários recuou 48% no Brasil, revertendo o boom imobiliário. Estimativas de 2017 sugerem que o setor começará lentamente a se recuperar.

Existe uma projeção de 10 milhões de novos imóveis entre 2018 e 2025, segundo o IEMI. Isso ajuda o setor, conforme Prado, mas não chega sequer próximo das médias obtidas durante o boom imobiliário. Maiores oportunidades, sem dúvida, estão no nordeste. “Vamos sair da crise e voltar a crescer, mas o ritmo do crescimento será bem menor”, reflete Prado.

 

Estimativas

Em 2017, o crescimento da produção nacional de móveis foi de 0,3% em volume de peças. Para 2018, estima-se alta de 4%. A estimativa do IEMI em relação às vendas é um crescimento de 4,5% em volume e 12,3% em valores nominais, ainda sem considerar os impactos da greve e queda de consumo por conta da Copa do Mundo. Na análise do economista, os níveis são ainda tímidos, mas existe um grande mercado a ser explorado pelo setor. “A informação só tem o poder de transformar quando bem gerida dentro da empresa, com identificação de oportunidades, planejamento estratégico e definição – principalmente – do que não será feito”, conclui.

Veja mais na Revista Receptiva

Cidade de João Pessoa, capital do Estado da Paraíba, tem rico acervo de atrativos para turismo cultural, histórico, lazer, náutico…

Maior economia do Estado da Paraíba, contribuindo com 30% do Produto Interno Bruto — PIB ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *