Home / Economia / Somente 4,4% das empresas estão preparadas para o eSocial 

Somente 4,4% das empresas estão preparadas para o eSocial 

Segundo um estudo realizado pela Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas (Fenacon), mais de 40% das empresas não iniciaram a implantação do eSocial – sistema que passará a ser exigido em 1 de janeiro de 2018 para as empresas que arrecadam R$ 78 milhões ao ano. A obrigatoriedade se estenderá para todas as demais empresas com funcionários a partir de julho do mesmo ano.

                  Somente 4,4% disseram estar preparadas para se adequar ao novo modelo de confirmação de dados para o governo e Receita Federal. O principal desafio é mudar a cultura organizacional da classe empresarial. A simulação foi liberada a partir de agosto para que os escritórios contábeis compreendam o sistema que é chamado pelo diretor da empresa Canal Safety Gestão Ocupacional, Robeson Canal, como o Big Brother Brasil das empresas. “Não há como escapar. O empregador que disser que não vai fazer, não vai mais conseguir emitir folha de pagamento e terá seu CNPJ trancado. Acredito que 80% das empresas receberão multas inicialmente. Isso porque são solicitados respostas para 321 ítens sobre saúde e segurança dos trabalhadores. Se eu enviar informações incompletas, receberei sucessivas multas que variam entre R$ 40 a R$ 4 mil”, previu, durante palestra realizada na Associação de Pequenas e Médias Empresas (Apeme), na quinta-feira, 31, em Garibaldi, para um grupo de empresários da Serra.

               Para Liliana Grando, contadora do escritório Daffare Contabilidade e Assessoria Ltda, ao implantar esse novo sistema rigoroso e interligado entre os órgãos públicos, o objetivo do governo é reduzir a sonegação e manter um cadastro completo dos trabalhadores. “Além de aumentar a arrecadação de impostos, o eSocial funciona exatamente como exige a CLT. Ocorre que nem sempre é possível para os escritórios seguir os prazos, pois o empregador tende a enviar os documentos em cima da hora ou depois da data exigida. Os escritórios terão que sentar com seus clientes e explicar a mudança”, disse. Segundo a contadora, a ideia é que, no futuro, as pessoas possam se aposentar sem que seja necessário reunir uma pilha de documentos, uma vez que governo terá sido informado anteriormente, durante os anos trabalhados.

Fotos: Fernanda De Antoni Farias    e    Fonte: Priscila Boeira / Assessora de Imprensa – APEME

Veja mais na Revista Receptiva

BNT Mercosul 2018 apresentará inovação no design da distribuição dos estandes

BNT Mercosul 2018 chega aos 24 anos mantendo DNA da inovação. Planta de distribuição dos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *