Home / Economia / Inadimplência em Bento Gonçalves beira os R$ 11,5 milhões

Inadimplência em Bento Gonçalves beira os R$ 11,5 milhões

 

Valor acumulado no primeiro semestre de 2017 é 4% maior do que o total apurado até dezembro do ano passado

O comércio de Bento Gonçalves amarga um prejuizo que beira os R$ 11,5 milhões – valor inadimplente acumulado até o fim do primeiro semestre de 2017 no município. Desde a última apresentação dos dados feita pela Câmara de Dirigentes Lojistas com números referentes a dezembro de 2016, houve crescimento de 4% no montante da dívida. Já no comparativo com o mesmo período do ano anterior, o aumento está na casa dos 17% (no primeiro semestre de 2016 a dívida era de R$ 9.769.304,00, contra os R$ 11.493.088,00 registrados nos seis meses iniciais de 2017).
“Pesquisa recentemente divulgada em âmbito nacional mostrou que o comércio concentra o segundo maior percentual da inadimplência no Brasil – ou seja, 38% das dívidas estão alocada no segmento. Em Bento Gonçalves, o avanço é gradativo e permanente, o que obviamente nos preocupa muito, principalmente por ser um fator que coloca em risco a saúde financeira dos negócios do varejo – ou seja, a empresa vendeu um produto ou prestou um serviço e não recebeu por ele, arcando com o prejuízo. Divulgamos esses dados como forma de alerta ao lojista, para que preste muita atenção no momento de análise e concessão de crédito”, explica o presidente da CDL-BG, Marcos Carbone. Atualmente, o comércio de Bento Gonçalves registra o total de 3.901 CNPJs ativos.
Em Bento Gonçalves, quem mais deve são pessoas físicas, com idade entre os 30 e 50 anos (55% dos registros), e do sexo femino (67% dos registros são de mulheres contra 33% de homens). Metade do valor da dívida está concentrada em tickets com valor entre R$ 100 e R$ 250. A outra metade é de compras superiores a R$ 500.

O que mudou no cenário da inadimplência
O número de registros lançados no SPC diminiu – ainda que pouco, na casa dos 1,2% – no comparativo entre o primeiro semestre de 2017 com o mesmo período do ano anterior. A queda também ocorreu com relação ao total verificado até dezembro de 2016, com -0.7%. Isso significa que menos pessoas estão devendo na praça – ainda que o valor dessa dívida tenha crescido. “Aqui observamos uma situação recorrente e que poderia ser facilmente prevenida com a rigorosa análise do perfil do cliente no momento de concessão de crédito. O banco de dados do SPC é riquíssimo e atualizado em tempo real, configurando-se em uma ferramenta importante que alerta o lojista diante de um consumidor que está inadimplente em outros estabelecimentos”, esclarece Carbone.
Na contramão desses indicadores, o comparativo mostra crescimento no número de pessoas jurídicas devedoras: 32% a mais no primeiro semestre de 2017 do que no mesmo período do ano anterior, além de aumento de 18% no valor da dívida. Já com relação ao acumulado em 2016, o total desse tipo de inadimplência aumentou em 11%. “As empresas estão devendo mais porque muitas delas sentiram fortemente os efeitos do ciclo de retração desencadeado no Brasil pela sucessão de crises políticas e econômicas. Não existem dados oficiais que comprovem esse indicador, mas nosso conhecimento empírico mostra que, diante da escassez de capital, os gestores precisaram fazer escolhas, e optaram por cumprir com as obrigações da folha de pagamento, gerando inadimplência em outros compromissos”, sugere o presidente.

Consumidor quer quitar a dívida
Quem está devendo tem pressa de limpar o nome na praça e recuperar o acesso ao crédito. Os registros feitos em até 03 meses caíram 14,5% no comparativo entre o primeiro semestre de 2016 com o mesmo período de 2017. O recorte da queda é ainda mais expressivo se analisados os registros com 01 mês: redução de 20%. Isso significa que as pessoas estão quitando suas dívidas com mais rapidez.
A esperança de o comércio recuperar o prejuízo causado pela inadimplência foi renovada com o recente anúncio da liberação da última fase de saques das contas inativas do FGTS. A verba disponibilizada pela Caixa Econômica Federal aos beneficados é de R$ 3,5 bilhões. Desse total, cerca de R$ 1,2 bilhão devem ser repassados ao comércio para quitação de dívidas, conforme levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). “Para os lojistas, essa é uma oportunidade muito valiosa de renegociar a dívida e reveter, mesmo que parcialmente, o ônus de uma venda não rentável. A CDL-BG tem uma equipe de consultores especializados que auxiliam os associados nesse processo de negociação, basta entrar em contato e agendar uma visita para estudo da situação”, relembra o presidente.

ENRIQUEÇA SUA PAUTA:

CDL-BG oferece com exclusividade acesso ao SPC Brasil no município

Prover soluções para que associados vendam mais e recebam, proporcionando, assim, o fortalecimento e a perenidade das empresas. Esta é a principal função da Câmara de Dirigentes Lojistas de Bento Gonçalves (CDL-BG) ao operar com exclusividade no município os serviços do SPC Brasil. O sistema de informações consolida-se como o mais completo banco de dados da América Latina em referências creditícias sobre pessoas físicas e pessoas jurídicas, auxiliando na tomada de decisões para concessão de crédito em todo país.
Por meio do SPC Brasil, o usuário tem acesso ao banco de dados de mais de 2.200 entidades presentes em todas as capitais e nas principais cidades de todos os estados. A abrangência do serviço é a mais representativa do setor, reunindo informações do comércio nacional, desde os pequenos lojistas até os grandes magazines, indústrias, serviços e mercado financeiro. “O SPC Brasil garante ao associado serviços completos tanto para análise de crédito, prospecção ou recuperação de dívidas. Os produtos, oferecidos de forma exclusiva pela CDL-BG, se adaptam à necessidade do lojista e reduzem os riscos. Assim ele tem a possibilidade de conquistar mais clientes e pensar em estratégias de negócio”, afirma o presidente da CDL Bento, Marcos Carbone.
Com mais de 50 tipos de serviços disponíveis, o SPC possibilita que o usuário aumente seus resultados no mercado e construa uma história de sucesso. Hoje, 1,2 milhões de empresas associadas às entidades em todo o Brasil usufruem de soluções que atendem a cada necessidade do ciclo de negócios das empresas, oferecidas pelo SPC Brasil. Outra vantagem é que o SPC é um dos principais instrumentos para ajudar o lojista a receber dívidas. Ao incluir os dados do inadimplente na lista de devedores, o serviço encaminha uma carta para o cliente informando sobre a dívida e como quitá-la. “A consulta ao SPC garante uma venda segura, o nosso associado fica protegido. Este ainda é o meio mais eficaz e seguro para recuperar o crédito”, destaca Carbone.
A Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do RS (FCDL-RS) é a operadora no estado do SPC. Interessados em integrar o SPC Brasil no município podem entrar em contato com a CDL Bento e aderir o serviço. Informações através do telefone (54) 3455.0555 ou www.cdlbento.com.br.

Veja mais na Revista Receptiva

Gramado Summit 2018, evento voltado ao universo da inovação na Serra Gaúcha, reúne 124 expositores, traz 66 palestrantes, atrai 7,5 mil participantes e promove por volta de R$ 7 milhões em investimentos

Grade de palestras e feira de negócios ocuparam ambientes do Expogramado, centro de convenções da ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *