Home / Eventos / David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

Empresa criada como oficina mecânica, em 1949, sete décadas depois tornou-se um conglomerado com unidades no Brasil e no mundo: Argélia, Argentina, Chile, Estados Unidos da América, Marrocos e Quênia, além de escritórios na África do Sul, Alemanha, China, Dubai, Índia e México.

 

Empresas Randon: início em pequena oficina mecânica

 

A Gramado Summit, evento focado no mundo digital, em sua edição 2018, desenvolveu-se em dois eixos: Feira de Negócios direcionada à busca de investimentos para as 125 startups participantes e bateria de apresentações e palestras voltado ao tema do empreendedorismo.

Pequeno parêntesis: ela aconteceu em sua segunda edição, de 8 a 10 de agosto último, no moderno Centro de Eventos Expogramado, na Cidade de Gramado, ícone do turismo, localizada na Serra Gaúcha, região de montanhas a Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Na grade de palestrantes desta última, 66 nomes expressivos do ambiente de negócios do País. Destes, apenas dois traziam experiências de sucesso iniciadas durante o século XX, anos 1900: José Galló, das Lojas Renner, e David Abramo Randon, das Empresas Randon.

O primeiro, discursando sobre o tema O Poder do Encantamento, detalhou a rota percorrida com tenacidade sem igual, durante quatro décadas, para transformar uma rede regional de apenas oito lojas, então praticamente falida, num negócio dos mais prósperos do mundo.

O segundo, contrapondo legado e contemporaneidade, resumiu 70 anos da história iniciada em pequena oficina mecânica aberta em 1949 na Cidade de Caxias do Sul, também situada na região da Serra Gaúcha — apesar de polo de metal e mecânica, é mais conhecida por sua Festa da Uva.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
David Abramo Randon, contrapondo legado e contemporaneidade, resumiu 70 anos da história iniciada numa oficina aberta em 1949 na Cidade de Caxias do Sul, localizada na região da Serra Gaúcha, região de montanhas a Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul

 

Empresas Randon: referência nacional, respeito internacional

 

Com altos e baixos, em sete décadas de atividades, aquelas humildes instalações voltadas à reforma de motores transformaram-se num dos maiores grupos empresariais privados da Brasil, líder em diversos segmentos no mercado interno e exportador para todo o planeta.

Além de referência global, traduzida por respeito expresso por concorrentes e parceiros dos cinco continentes, faz parte do Nível 1 de Governança Corporativa da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo — Bovespa, com padrões de gestão prezando a ética e a transparência.

O conhecimento técnico e a visão de futuro dos seus dois fundadores, Hercílio Randon e Raul Randon, permitiram a ambos ousar em decisões hoje classificadas como disruptivas. Talvez por não saberem ser impossível, tentaram, tentaram, tentaram… E muito realizaram.

Percebendo e aproveitando oportunidades de negócios, assentaram as bases sobre as quais ergueu-se o conglomerado apresentando, atualmente, um dos mais amplos portfólios com soluções ímpares para usos rodoviários, ferroviários e fora de estrada em todo o planeta.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
David Abramo Randon enfatizou: “O conhecimento técnico e a visão de futuro dos dois fundadores, Hercílio Randon e Raul Randon, permitiram a ambos ousar em decisões hoje classificadas como disruptivas. Talvez por não saberem ser impossível, muito realizaram”

 

Empresas Randon: foco contínuo em inovação e tecnologia

 

Do pioneirismo na produção de sistemas de freio a ar, reboques e semirreboques usando práticas artesanais no final dos anos 1950, o foco em inovação permitiu adentrar o século XXI, anos 2000, oferecendo produtos alinhados às tecnologias mais atuais hoje disponíveis.

Muitas delas criadas e desenvolvidas internamente, pois parte relevante dos investimentos é sistematicamente direcionada a setores de pesquisa e desenvolvimento, além da atualização de equipamentos, máquinas e processos e qualificação de colaboradores em todos os níveis.

Vale ressaltar, ainda, a forte presença como agente promotor de ações de sustentabilidade, por meio de políticas claras voltadas a meio ambiente, recursos humanos e responsabilidade social — a última desenvolvida pelo Instituto Elisabetha Randon Pró-Educação e Cultura.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Do pioneirismo na produção de sistemas de freio a ar, reboques e semirreboques usando práticas artesanais no final dos anos 1950, o foco em inovação permitiu adentrar o século XXI, anos 2000, oferecendo produtos alinhados às tecnologias mais atuais disponíveis

 

Empresas Randon: marcas líderes na América Latina

 

O conglomerado Empresas Randon é composto por companhias líderes na América Latina. Conta com a mais completa linha de equipamentos para o transporte de carga terrestre, com os seus veículos reboques, veículos semirreboques, veículos especiais e vagões ferroviários.

Possui também diversos outros negócios com sinergia entre si, nos setores de autopeças e sistemas automotivos, além da prestação de serviços relacionados, como banco e consórcio. Sua rede de atendimento cobre todo o território brasileiro e já alcançou mais de 100 países.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
O conglomerado Randon é composto por companhias líderes na América Latina. Conta com mais completa linha de equipamentos para transporte de carga terrestre: veículos reboques, veículos semirreboques, veículos especiais e vagões ferroviários

 

Empresas Randon: indústria, serviços, social, sustentabilidade…

 

Atualmente, a Randon soma 10 empresas — industrialização de autopeças, fabricação de implementos rodoviários, montagem de veículos especiais e prestação de serviços —, quatro estruturas de proteção social de funcionários e memorial guardião de memória inestimável.

Elas estão relacionadas a seguir, organizadas pela ordem alfabética de suas denominações de mercado:

 

• • •

 

 

Empresas Randon: sete décadas de história e muitas realizações

 

  • Década de 1900

 

O embrião do atual Grupo Randon, englobando XX empresas com presença em todo o País e atuação no mercado internacional, surgiu em 1948, completando 70 anos de história em 2018. Mas, sem dúvida, pode-se colocar sua real origem remontando há mais de um século.

Começa com o nascimento de Abramo Randon, em 23 de agosto de 1900, no Município de Caxias do Sul, situado na Serra Gaúcha, cadeia de montanhas a Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul. Mais precisamente, na Paróquia Conceição, vila integrante da Linha Feijó.

Um parêntesis: a identificação “linha” surgiu com os projetos para ocupação de terras por imigrantes europeus. Burocratas riscavam vários retângulos sobre grandes folhas de papel, um ao lado do outro, representando propriedades a serem doadas ou vendidas aos chegados.

Pronto o desenho, escolhiam um dos limites da área, estabeleciam o lado de uma sequência de terrenos como frente e identificavam aquela “linha”, facilitando a localização. Os fundos dessa primeira fileira de lotes limitavam-se com os de uma segunda, criando nova linha.

E assim sucessivamente, até completar a planta. Entretanto, faziam isso sem se preocupar com a situação dos relevos: afloramento de pedras, curso de córregos, presença de charcos etc. Assim, o projeto retilineamente sobre uma mesa tornava-se sinuoso frente a realidade.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Uma residência típica de família de colonos italianos chegados ao Brasil no final do século XIX e radicados em projetos de colonização na região onde hoje está a Cidade de Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, região de montanhas a Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul

 

  • Década de 1910

 

Abramo Randon, filho de Catterina Randon e Cristóforo Randon, passou pela infância e adolescência típicas daquela época: severidade dos pais compensada por carinho dos nonos; educação básica limitada a aprender escrever e ler; presença assídua às missas na igreja etc.

Ainda bem jovem, começou a trabalhar na ferraria de Carlin Fabris, profissional conhecido e respeitado nas redondezas. Ele foi seu instrutor na arte de construir à mão equipamentos e ferramentas para os agricultores, moldando ferro ao calor de forjas e pancadas de marretas.

Carlina Fabris, além de exímio na modelagem metálica, ganhou notoriedade nos estudos da imigração italiana no Estado do Rio Grande do Sul. Ele deixou um manuscrito narrando a fundação da Paróquia de Conceição, documento raro, de grande valor cultural e histórico.

Tem também forte importância linguística, pois foi redigido misturando termos do dialeto Talian, então falado pela comunidade, e da Língua Portuguesa. Considerado extremamente precioso, costuma ser utilizado como fonte primária pelos mais gabaritados pesquisadores.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Interior de ferraria, início do século XX, anos 1900, similar à de Carlin Fabris, com trabalhadores operando equipamentos. A imagem também exibe um dos serviços mais comuns naquela época, o de encapar com chapa de metal rodas de carroças

 

  • Década de 1920

 

Abramo Randon Filho, aos 23 anos, muda para a Cidade de Rio Bonito, atualmente Cidade de Tangará, localizada no Centro-Sul do Estado de Santa Catarina. Abre sua ferraria e casa com Elisabetha Randon. Desta união, nascem seus Hercílio, Isolda, Zilá e Beatriz e Raul.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul e Sul do Estado de Santa Catarina nas primeiras décadas do século XX, anos 1900: região de serras, estradas de terra, influenciando Hercílio Randon e Raul Randon a oferecer serviços para sistemas de freios de caminhões

 

  • Década de 1930

 

Pelos costumes da época, era esperado dos herdeiros homens assumirem o negócio do pai — às mulheres, casar com pretendente crente em Deus, honesto, trabalhador… Raul segue firmemente essa regra e, a partir dos 14 anos, passa a dar expediente no negócio da família.

O mais velho, Hercílio Randon, rompe a tradição, mas com apoio de todos. Vai trabalhar com Raymundo Balzaretti, especialista em manutenção e reforma de motores a explosão interna — estes, cada vez mais presentes, impulsionando automóveis, caminhões e tratores.

Apesar das limitações da época, Hercílio Randon, estudioso de várias áreas do saber, via possibilidades de colocar em prática duas de suas grandes paixões: a Física e a Matemática. Afinal, ainda criança e na adolescência, aplicou essas ciências em engenhosos brinquedos.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
À esquerda, foto da década de 1930, ordem decrescente de altura, irmãos Hercílio, Isolda e Raul — ficando de fora os outros dois: Beatriz e Raul. À direita, Abramo Randon, aos 50 anos, com descendentes já adultos e Hercílio e Raul começando a vida profissional

 

  • Década de 1940

 

Por sete anos, Hercílio aprimorou conhecimentos em Engenharia Mecânica. Em 1948, com Raul, abre a própria oficina de manutenção e reforma de motores. Quem poderia imaginar o embrião das Empresas Randon naquelas instalações humildes na Cidade de Caxias do Sul?

Entretanto, Raul Randon precisa se afastar por um tempo: completando 18 anos de idade, presta o Serviço Militar obrigatório. Um ano depois, ao retornar, retoma a sociedade com Hercílio Randon. A oficina, apesar do pouco tempo de existência, já estava bem procurada.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Foto de 1940, Elizabetha Randon e Abramo Randon, sentados; os filhos Raul, Hercílio, Zilu e Beatriz, atrás; e a caçula, Isolda, à frente. Hercílio rompeu uma tradição, não indo ajudar o pai na sua ferraria. Foi trabalhar e aprender sobre mecânica de motores a explosão

 

  • Década de 1950

 

Em 1950, passam a cuidar também de máquinas de tipografia, numa parceria com Ítalo Rossi. Porém, em 1951 a empresa incendiou-se. Ítalo Rossi se afasta, mas Hercílio e Raul continuam precariamente nas oficinas das fábricas de Evaristo de Antoni e Matteo Gianella.

Através de outro amigo, Cláudio Corso, foram apresentados a Antônio Primo Fontebasso. E este deu a ideia de se trabalhar com manutenção de freios de caminhões e reboques. Afinal, naquela região de serras, servida apenas por estradas de terra batida, teriam muitos clientes.

Eles toparam e criaram a sociedade Mecânica Randon. Um ano depois, Antônio Fontebasso adoece e deixa a firma. Era um dissabor atrás do outro, mas Raul, empreendedor, convence Hercílio Randon a se manter firme no empreendimento. A união entre os dois é fortalecida.

A parceria consolidou-se, pois os dois completavam-se: Hercílio Randon dominava o setor técnico, aprimorando seus conhecimentos todos os dias; Raul Randon tido sido agraciado com bom tino para negócios: administrar, comprar, contratar, controlar, planejar, vender…

Por mais de 30 anos, Hercílio Randon foi criador, verdadeiro artista, no setor de máquinas, mecânica e equipamentos e implementos no segmento do transporte. Entre suas inúmeras, desenvolveu e construiu prensa hidráulica de 600 toneladas, ainda hoje em uso na empresa.

Com isso, conquistava o respeito de todos os técnicos e engenheiros formados ingressando na empresa. Sem diploma ou título universitário, em suas três décadas de atuação dentro da companhia, Hercílio Randon foi o “engenheiro-pai” deste conglomerado hoje internacional.

A década de 1950 foi marcada por grandes investimentos na nascente indústria brasileira, impondo forte crescimento ao segmento de transporte rodoviário de cargas. Entretanto, os caminhões disponíveis no mercado apresentavam limitações para seu uso com segurança.

Um dos principais problemas estava relacionado aos freios: acionados com os pés, através de pedais, mostravam-se ineficientes em parar um veículo carregado. A situação tornava-se pior em descidas, pois o peso colocado sobre a carroceira impelia o conjunto morro abaixo.

Com sua engenhosidade, Hercílio Randon cria inovador sistema de freio a ar comprimido. Assim, facilitou o trabalho dos motoristas e deu mais segurança à operação dos carros. A Mecânica Randon torna-se a única empresa no Brasil a oferecer e instalar o novo sistema.

Frente àquele sucesso, um cliente lança novo desafio a Hercílio Randon e Raul Randon: como transportar mais peso usando o mesmo equipamento? Hercílio Randon resolve o problema: cria um terceiro eixo, de fácil adaptação ao chassi dos veículos já em operação.

Clientes em todo o País esperavam até um mês para ter o sistema instalado nos caminhões. Era comum ver as ruas do entorno da oficina ocupadas por carretas saídas das fábricas e enviadas até à Cidade de Caxias do Sul, antes da incorporação às frotas das transportadoras.

O ganho de produtividade para os transportadores foi enorme. Mas havia espaço para novo salto. Como aproveitar a força dos motores para transportar volumes maiores de carga de peso menor? Nova criação da Mecânica Randon, o primeiro semirreboque nasce em 1955.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Hercílio e Raul conheceram Antônio Primo Fontebasso. Este deu a ideia de trabalhar com manutenção de freios de caminhões. Na região de serras, com estradas de terra batida, teriam muitos clientes. Assim, nasceu sociedade Mecânica Randon

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Hercílio Randon cria sistema de freio a ar comprimido, dando mais segurança à operação dos carros. Depois, resolve o problema de transportar mais peso com o mesmo equipamento: um terceiro eixo, de fácil adaptação ao chassi dos veículos em operação

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Clientes em todo o País esperavam até um mês para ter o sistema instalado nos veículos. Era comum o entorno da oficina ocupado por carretas saídas das fábricas e enviadas até à Cidade de Caxias do Sul, antes da incorporação às frotas das transportadoras

 

  • Década de 1960

 

A situação política no Brasil no início da década de 1960 era conturbada. Hercílio Randon e Raul Randon, assim como todos os empresários brasileiros, mostravam-se apreensivos com os rumos do País. Atrasando lançamentos, segurando investimentos, aguardavam melhoras.

Apesar dos problemas, em 1963, a Mecânica Randon cria a Fundação Assistencial Abramo Randon. E oferece aos seus 80 empregados compensação custos farmacêuticos, assistência médica, atendimento hospitalar, auxílio funeral, auxílio natalidade e plano odontológico.

A instabilidade chega ao fim no início de 1964, com implantação do regime militar. O novo Governo inicia amplo programa de modernização interna: nova moeda, reforma trabalhista e, principalmente, investimentos em infraestrutura, com melhoria das rodovias já existentes.

Isso gera as condições para o surgimento do período conhecido como Milagre Econômico Brasileiro. E a Mecânica Randon aproveita este boom, lançando produtos de acordo com as necessidades do mercado de transporte rodoviário de cargas, num crescimento acelerado.

Assim, surgem semirreboque de um eixo e semirreboque de dois eixos para cargas secas; e o terceiro eixo balancim para caminhões pesados. O semirreboque de três eixos surge após a regularização da Lei da Balança, impondo limites à carga transportada sobre rodovias.

Um sistema de suspensão projetado por Hercílio Randon é considerado a maior inovação no segmento de transporte rodoviário de carga no País o ano de 1967. A Mecânica Randon figura pela primeira vez entre as maiores empresas do setor em todo o território brasileiro.

A empresa havia se expandido para outros pontos da Nação, apresentando duas filiais: uma na Cidade de Porto Alegre, a capital do Estado do Rio Grande do Sul; outra, na Cidade de São Paulo, a capital do Estado de São Paulo, um dos mercados mais importantes do Brasil.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Após criar semirreboque de um eixo, veio o semirreboque de dois eixos para cargas secas e o terceiro eixo balancim para caminhões pesados. O semirreboque de três eixos surge com a Lei da Balança, impondo limites à carga transportada sobre rodovias

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Sistema de suspensão projetado por Hercílio Randon é considerado maior inovação no segmento de transporte rodoviário de carga no País em 1967. A Mecânica Randon figura pela primeira vez entre as maiores empresas do setor em todo o território brasileiro

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
A Mecânica Randon rompe os limites da Cidade de Caxias do Sul. E abre sua primeira filial na Cidade de Porto Alegre. Logo, terá outra, na Cidade de São Paulo, a capital do Estado de São Paulo, já o maior emissor e receptor de cargas rodoviárias do Brasil

 

  • Década de 1970

 

Os anos 1970 consolidaram a marca Randon, conhecida mundialmente pela genialidade de Hercílio Randon, o empreendedorismo de Raul Randon e a forte motivação de sua equipe de trabalho. Mas é uma a década é marcada por forte crise, gerada pelo valor do petróleo.

O sucesso nacional da Mecânica Randon levou a empresa a buscar novos conhecimentos. Assim, Raul Randon viajou para a Europa. Na Cidade de Milão, situada ao Norte da Itália, participou de uma das mais importantes feiras do setor de implementos para o transporte.

A viagem ampliou a visão de mercado de Raul Randon. Em função dos produtos e soluções vistos lá fora, percebeu ter sua empresa as condições para aceitar demandas internacionais. Assim, em 1972, a Mecânica Randon faz sua primeira exportação, para o vizinho Uruguai.

A Cooperativa Nacional de Productores de Leche — Conaprole comprou veículos dotados de tanques frigorificados, capazes de atender seus associados com segurança e qualidade. Era o primeiro passo de trajetória a ser cumprida com muito sucesso nas décadas seguintes.

Se engatinhava no comércio externo, as vendas no Brasil cresciam fortemente: durante toda a década, foram abertos escritórios e filiais País afora. Era urgente ampliar as instalações. E, a, agora, Randon Indústria de Implementos para Transporte melhora o parque industrial.

O novo espaço é inaugurado em 1974. No mesmo ano, outro passo ousado: lançamento do veículo fora-de-estrada RK-424, desenvolvido em associação com a companhia Kockum, da Suécia. Ele foi o primeiro veículo automotor montado no Estado do Rio Grande do Sul.

Surge a Cooperando — Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Randon, incentivando educação cooperativa e financeira dos associados. Após quatro meses de fundação, tinha 665 integrantes; no primeiro ano, foram 400 empréstimos.

Nesta década, uma iniciativa individual de Raul Randon voltou-se à produção de alimentos, com a Randon Agrosilvipastoril — Rasip. Chegou a ser dos maiores produtores de maçã do Brasil. Depois, presuntos, salames, vinhos e queijos sofisticados, premiados mundialmente.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
O sucesso Mecânica Randon leva a empresa a buscar novos horizontes. Raul Randon viaja para a Europa. Na Cidade de Milão, ao Norte da Itália, participa de importante feira de implementos para transporte. As instalações na Cidade de Caxias do Sul são ampliadas

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Em 1972, a Mecânica Randon faz a primeira exportação. A Cooperativa Nacional de Productores de Leche — Conaprole, do Uruguai, compra vários veículos equipados com tanques frigorificados, capazes de atender seus associados com segurança e qualidade

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Começando no comércio externo, vendas no Brasil crescendo fortemente: durante toda a década, foram abertos escritórios e filiais País afora. Era urgente ampliar instalações. A, agora, Randon Indústria de Implementos para Transporte melhora o parque industrial

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Em 1974, consolidação de outro passo ousado: lançamento de um veículo fora-de-estrada, o RK-424. Desenvolvido em associação com a companhia Kockum, da Suécia, tornou-se, assim, o primeiro veículo automotor montado no Estado do Rio Grande do Sul

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
A inauguração da nova fábrica, em 1974, na Cidade de Caxias do Sul, tornava a empresa capaz de atender a procura crescente por seus produtos e soluções, inclusive do mercado externo. Estas serão fundamentais para o forte crescimento na próxima década

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Desde seus primeiros momentos como empreendedores, Hercílio Randon e Raul Randon incentivaram os empregados a se dedicaram a outras atividades nas horas de folga. Assim nasceu a Associação Atlética Randon, voltada a promover atividades físicas e de lazer

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Outra iniciativa patrocinada pela empresa foi a criação da Cooperando — Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Randon. Com apenas quatro meses de sua fundação, já somava 665 associados; só no primeiro ano, fez 400 empréstimos

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
No final da década de 1970, iniciativa individual, Raul Randon, volta-se à produção de alimentos. A Randon Agrosilvipastoril — Rasip foi das maiores produtoras de maçã do Brasil. Depois, presuntos, salames, vinhos e queijos sofisticados, premiados mundialmente

 

  • Década de 1980

 

A crise mundial gerada pela Guerra do Yom Kippur, em 1973, com aumento estratosférico dos preços do barril do petróleo afetou fortemente o Brasil. Com investimentos lastreados por recursos externos, estes rarearam, juros subiram e o País decretou moratória unilateral.

Com os países do Oriente Médio e Norte da África abarrotados de dólares, fica fácil vender para eles. A Randon realiza exportação recorde: 1.005 semirreboques para a Argélia. Logo, mais de dois mil produtos rodavam todos os dias pelas rotas do Deserto do Saara, no Egito.

Apesar do sucesso comercial e excelente posicionamento no mercado, a situação financeira se deteriorava. Estudo detalhado das finanças expôs a vulnerabilidade causada por enorme dívida. Em 21 de dezembro de 1982, recorre à Justiça, pedindo uma Concordata Preventiva.

A reivindicação é aceita e Raul Randon inicia a reorganização da empresa. No início de 1984, nova exportação para a Argélia: 713 carretas. Em novembro de 1984, um mês antes do prazo final da Concordata, quita a última parcela do acerto, encerrando àquela situação.

A Randon foi vista como exemplo para outras empresas pela forma como superou sua crise. Empenho de toda a equipe e ações da diretoria, valorizando ética e transparência, evitaram demissões em massa. Estavam criadas bases para novos investimentos, bem mais seguros.

Um dos mais importantes foi o ingresso da Randon no concorrido segmento de autopeças. Ele ocorre com a constituição da Freios Master Equipamentos Automotivos, em 24 de abril de 1986, através de joint-venture com a empresa norte-americana Rockwell International.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
A Guerra do Yom Kippur, em 1973, levou ao aumento dos preços do barril do petróleo. Com países do Oriente Médio e Norte da África abarrotados de dólares, ficou fácil vender para eles. A Randon realiza exportação recorde: 1.005 semirreboques para a Argélia

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
O Oriente Médio revelou-se mercado excelente para a Randon, no início da década de 1980. Com malha rodoviária semelhante à existente no Brasil, logo, mais de dois mil produtos rodavam todos os dias pelas rotas cruzando o Deserto do Saara, no Egito

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Em 21 de dezembro de 1982, pedido de Concordata Preventiva. No início de 1984, nova exportação para a Argélia: 713 carretas. Em novembro de 1984, um mês antes do prazo final, Raul Randon quita última parcela do acerto judicial, encerrando àquela situação

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Após a Concordata, estavam criadas bases para novos investimentos. Veio o ingresso da Randon no segmento de autopeças, com a Freios Master Equipamentos Automotivos, formando uma joint-venture a norte-americana Rockwell International

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Outro forte indício da recuperação econômica do grupo de Empresas Randon após a Concordata foi a criação da Randon Consórcios, em 1987. Esta nova prestação de serviços ampliou as possibilidades de venda dos produtos, com filiais em todos os Estados do País

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Em 1989, a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul — Fiergs concede às Empresas Randon o Prêmio Distinção Indústria, pelo lançamento do RK-628, mais nova versão do seu caminhão fora-de-estrada, outro produto de sucesso internacional

 

  • Década de 1990

 

A década de 1990, no Brasil, foi marcada pela consolidação da democracia e forte processo de privatização; pelo mundo, globalização da economia e aumento da concorrência. Neste contexto, a Randon dinamiza sua presença internacional, através de aquisições e fusões.

A criação da holding Randon Participações, em 1992, segmenta os negócios, tanto no mercado interno quanto no externo, abrangendo industrialização de autopeças, fabricação de implementos rodoviários, montagem de veículos especiais e prestação de serviços.

A internacionalização gera filial na Argentina; associação com a Jost Werke, da Alemanha, dando origem à Jost Brasil; e, joint-venture com a Arvin-Meritor, dos Estados Unidos da América, na Suspensys. No segmento de veículos especiais, foi criada a Randon Veículos.

Além da incorporação total da Fras-le, foi ampliada rede para a proteção social para seus trabalhadores e familiares, com a criação o SSI —Sistema de Saúde Integral, com foco na prevenção dos problemas de saúde, mas também assistência e atendimento ambulatorial.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
As Empresas Randon segmentam negócios: industrialização de autopeças, fabricação de implementos rodoviários, montagem de veículos especiais e prestação de serviços. A internacionalização  gera sua primeira filial: ela nasce na Argentina

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Junto à incorporação total da Fras-le, foi ampliada rede para a proteção social para seus trabalhadores e familiares, com a criação o SSI —Sistema de Saúde Integral, com foco na prevenção dos problemas de saúde, mas também assistência e atendimento ambulatorial

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Flagrante da cerimônia de criação da Jost Brasil, em associação com a Jost Werke, da Alemanha. Uma joint-venture com a Arvin-Meritor, dos Estados Unidos da América, resulta na Suspensys. No segmento de veículos especiais, foi criada a Randon Veículos

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
Momento importante das Empresas Randon na década de 1990. Cerimônia de constituição da Supersensys, em 1997. Joint-venture com a Arvin Meritor, dos Estados Unidos da América, tornou-se líder brasileira na produção de sistemas de suspensão e componentes

 

  • Década de 2000

 

Os anos 2000 chegam com perspectivas de mudanças oferecidas pelo início do novo século. Brasil e mundo vivem bons momentos na economia. A Randon inicia sequência de quebra de recordes em crescimento e lucro, consolidando sua competição no cenário internacional.

Entre as maiores empresas privadas do Brasil, torna-se marca de referência global, ao lado de parceiros estratégicos de classe mundial. Lidera nos segmentos de atuação e exporta para todos os continentes — diversificação de produtos e mercados decisiva no final da década.

Manteve resultados positivos mesmo diante das adversidades geradas pela crise financeira mundial dos anos de 2008 e 2009. Contribuiu para isso atrelar crescimento econômico a decisões sustentáveis relacionadas a crescimento social e preservação do meio ambiente.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
As Empresas Randon conseguiram resultados positivos diante da crise mundial dos anos de 2008 e 2009. Contribuiu para isso atrelar crescimento econômico a decisões sustentáveis relacionadas a desenvolvimento social e preservação do meio ambiente

 

  • Década de 2010

 

O início da década de 2010 é considerado o melhor período da história da Randon, com recordes de produção e vendas, qualificação no relacionamento com o público e melhoria da relação institucional de todas as empresas do grupo com a sociedade e o meio ambiente.

Começa com a inauguração de um Campo de Provas, na Cidade de Farroupilha, também situada na Serra Gaúcha. Centro para testes automotivos, projetado para atender apenas as diversas empresas do grupo, logo foi requisitado por montadoras brasileiras e estrangeiras.

Agrale, BMW, DAF, Ford, International Caminhões, Marcopolo, Mercedes-Benz, Nissan, Renault e Volvo — apesar de algumas destas terem também estruturas semelhantes — já utilizaram pistas, instalações e, principalmente, laboratórios de última geração lá instalados.

Em 2011, a Randon Implementos e Participações compra o controle da Folle Indústria de Implementos Rodoviários, sediada na Cidade de Chapecó, localizada no Oeste do Estado de Santa Catarina. E altera sua denominação para Brantech Implementos para o Transporte.

No mesmo ano, a Fras-le adquire a Freios Controil, da Cidade de São Leopoldo, integrante da Região Metropolitana da Cidade de Porto Alegre, a capital do Estado do Rio Grande do Sul, produtora de autopeças, componentes de freios e soluções em polímeros automotivos.

Já o ano de 2012 foi marcado pela apresentação do Plano de Investimento para os próximos cinco anos, com perspectivas de geração continuada de mais empregos e a reafirmação dos compromissos da busca por desenvolvimento econômico sem dispensar a sustentabilidade.

Em 2015, através da criação do Instituto Hercílio Randon, as Empresas Randon estendem suas atividades para dentro do Parque Científico e Tecnológico da Pontifícia Universidade Católica do Estado do Rio Grande do Sul — PUC-RS, situada na Cidade de Porto Alegre.

E, a partir de 2017, concentra iniciativas, programas e projetos voltados à rede de proteção social de funcionários e familiares, além das as ações de sustentabilidade, numa entidade criada especialmente para isso, o novo Instituto Elisabetha Randon Pró-Educação e Cultura.

Passados 70 anos, a pequena oficina virou um conglomerado com unidades produtivas no Brasil e no mundo — Argélia, Argentina, Chile, Estados Unidos da América, Marrocos e Quênia — além de escritórios na África do Sul, Alemanha, China, Dubai, Índia e México.

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica
O Campo de Provas, em grande área na Cidade de Farroupilha, também na Serra Gaúcha, centro para testes automotivos. Projetado para atender apenas as diversas empresas do grupo Randon, logo foi requisitado por montadoras brasileiras e estrangeiras

 

Empresas Randon: mais testemunhos da trajetória de 70 anos

 

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

Flagrantes de momento ocorrido nos primeiros anos da década de 1970. Acima, Hercílio Randon e Raul Randon examinam projeto da primeira da nova fábrica a ser construída nas cercanias da Cidade de Caxias do Sul. Abaixo, o executivo Emyr Facchin junta-se as dois.

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

 

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

Acima e abaixo, em imagens da década de 1980, vistas aéreas das modernas instalações da Randon Implementos Rodoviários, na Cidade de Caxias do Sul. Naquela década, a empresa pediu uma Concordata preventiva, acertou suas dívidas e aprimorou sua gestão financeira.

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

 

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

Iniciativas de sustentabilidade social e ambiental das Empresas Randon, Acima, em foto de 2001, inauguração do Programa Crescer. Abaixo, em foto de 2001, do Programa Florescer — ambas são desenvolvidas pelo novo Instituto Elisabetha Randon Pró-Educação e Cultura.

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

 

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

Acima, imagem de 2003, quando da inauguração da Mastertech, hoje líder na produção de freios a ar para veículos comerciais. Abaixo, em foto de 2006, constituição da Castertech, criada com objetivo de ampliar integração da cadeia de suprimentos das Empresas Randon.

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

 

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

Acima, em 2009, David Abramo Randon, toma posse como Chief Executive Officer — CEO, das Empresas-Randon. Seu pai, Raul Randon, passa a presidir o Conselho de Administração. Abaixo, em foto de 2010, inauguração da sede do Banco Randon.

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

 

 

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

Acima, flagrante de 2011, momento de constituição da Brantech Implementos Para o Transporte. Abaixo, imagem de 2013, inauguração das instalações da Suspensys Sistemas Automotivos, localizada na Cidade de Resende, situada ao Sul do Estado do Rio de Janeiro.

David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica

 

 

 

O post “David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica” foi produzido em função da participação na Gramado Summit,  entre os dias 8 a 10 de agosto de 2018, na Cidade de Gramado, ícone do turismo na Serra Gaúcha, região de montanhas localizado a Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, com apoio da Brocker Turismo e do Sky Serra Hotel.

A repetição de diversas expressões ao longo do conteúdo do post “David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica” — como “Empresas Randon” — é intencional. Elas são as principais palavras-chave dos conteúdos. Colocá-las várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com BingGoogle ou Yahoo!.

O post “David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica” pode apresentar erros. Se eles forem apontados, reeditarei o material com as correções.

Todas as fotos e imagens presentes no post “David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica” têm origem identificada. Se o autor de algumas delas discordar do seu uso, basta avisar que será substituída.

O post “David Randon, CEO das Empresas Randon, resume trajetória de 70 anos de grupo nascido em uma humilde oficina mecânica” está republicado nos seguintes endereços da Web:

• Facebook do Jornal Cidade Sorriso, da Cidade de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul;

• Blog do Jornal Passaporte, da Cidade de Belém, capital do Estado do Pará;

• Link de notícias do site da Associação de Jornalistas e Blogueiros do Brasil — Ajobtur; e,

• News do Jornal Turismo & Serviços.

Veja mais na Revista Receptiva

Quebra de Estereótipo na Semana de Moda de Nova York – por Cláudia De Biasi

Entre 06/09 e 14/09 aconteceu a famosa Semana de Moda de Nova York (New York ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *